"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





sexta-feira, 1 de abril de 2011

AS DUNAS DA AREIA BRANCA - Lourinhã

DUNAS vivas no AREAL SUL - até quando?

Na generalidade, as dunas são estruturas móveis resultantes da acumulação de areias transportadas pelo vento, nas quais as plantas têm um papel fundamental no seu processo de formação.
Os ecossistemas costeiros estabelecem a transição entre os sistemas marinho e terrestre e constituem barreiras naturais a fenómenos de galgamento das ondas, a inundações e erosão provocada por ventos marinhos. Por outro lado, são também sistemas de armazenamento natural de areia para a compensação da perda de sedimento provocada pela erosão. Estes sistemas garantem os processos de dinâmica costeira e diversidade dos sistemas naturais incluindo a estrutura dunar, os habitats naturais e as espécies de flora e fauna.
O facto de os sistemas dunares serem formações em permanente equilíbrio dinâmico, intimamente dependente da cobertura vegetal, implica que qualquer fator externo ao sistema tenha consequências desequilibrantes e dificilmente compensáveis, como por exemplo o pisoteio fora dos trilhos, a proliferação de espécies infestantes e as obras de construção civil.
Calcula-se que uma duna pode demorar 50 anos a recuperar de uma só passagem de uma mota ou jipe mas, apesar de ser proibido por lei o passeio com veículos motorizados por estes locais, verifica-se que as dunas da Areia Branca vão sendo bastante danificadas, verão após verão.
Para a estabilidade das dunas é indispensável a manutenção da vegetação, que as protege da erosão eólica e hídrica pois caso a vegetação fixadora das dunas for degradada e destruída, todo o sistema dunar será afetado negativamente.
Sem vegetação a areia nua facilmente será arrastada para o interior do território, quer pela ação do mar, quer essencialmente pela ação eólica, podendo invadir e mesmo cobrir terrenos agrícolas, explorações, habitações e caminhos. Em épocas de tempestade podem mesmo ocorrer catástrofes em que o mar não encontrando obstáculos ao seu avanço, destrói culturas e construções que antes estavam protegidas das dunas. Daqui se depreende o valor das dunas e dos ecossistemas que nelas se encontram.


Infelizmente nas dunas da Areia Branca não se nota qualquer esforço por parte das autoridades competentes no sentido de as proteger, quer dos jipes e das moto quatro, quer de quem se arroga o direito de colocar em perigo um património que é de todos nós.
As fotos que se seguem são um alerta para quem gosta da natureza e habita nesta região. Mostram a triste condição a que chegaram alguns trilhos das dunas da Areia Branca, depois de terem sido depositadas, a meio da encosta, algumas toneladas de terra barrenta, resultantes de um desaterro destinado à construção de um condomínio fechado, agora existente nas proximidades. Antes, os trilhos que desciam a encosta eram todos de areia e absorviam bem as águas da chuva, mesmo em dias de tempestade. Agora, mal chove formam-se impetuosos rios de lama que arrastam toda a areia que podem, escalavrando a encosta barbaramente, levando a lama até à praia.







Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/
(exceto quando especificado).

Fotos - Areal Sul / Areia Branca-Lourinhã

Sem comentários:

Enviar um comentário