"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Verbascum thapsus

Verbascum Thapsus é uma planta alta e inconfundível, pela sua forma e coloração.
Esta planta é conhecida pelos nomes populares de barbasco, erva- de- são- fiacre, tróculos brancos e vela-de-Nossa-Senhora. O nome de vela-de-Nossa-Senhora está associado não só à sua forma mas também ao facto de, no passado, ter sido utilizada como tocha depois de seca e untada com banha. O nome verbascum deriva do latim barbascum que significa barba, devido aos pelos existentes nas folhas.
Verbascum thapsus pertence à família das escrofulariáceas, grupo botânico formado por cerca de três mil espécies de ervas, arbustos e pequenas árvores.
É uma planta nativa do sul e centro da Europa e Ásia ocidental, mas adaptou-se bem em muitas regiões temperadas do globo. Em Portugal cresce na beira dos caminhos, terrenos incultos, mas principalmente nas areias e terrenos secos do litoral. É uma planta comum que se espalha de modo prolífico por sementes, mas não se torna agressivamente invasiva, uma vez que a semente precisa de solo aberto para germinar. Tão pouco é uma espécie competitiva, sendo intolerante à sombra de outras plantas e incapaz de sobreviver ao corte.
Tem a vantagem de albergar muitos insectos, alguns dos quais podem ser prejudiciais para as outras plantas. Também atrai as abelhas, providenciando-lhes alimento.
A Verbascum thapsus é uma planta herbácea bienal, isto é, precisa de pelo menos 2 anos para completar o seu ciclo vegetativo. É uma planta bastante alta, podendo alcançar de 80 centímetros a 2 metros de altura, com um caule único e vigoroso, ramificado e coberto de pelo.
As folhas são grandes ovais-lanceoladas, de cor verde-acinzentado, cobertas de penugem prateada e formando uma roseta basal no primeiro ano.
As flores, muito numerosas e de cor amarela, surgem no segundo ano, de junho a agosto, crescendo em espiga ao longo do caule.
Esta planta produz fruto sob a forma de pequenas cápsulas ovoides (6 mm) que se partem em duas metades. Cada cápsula tem grande número de diminutas sementes castanhas (menos de 1 mm).
Depois de florescer e libertar as sementes o estame e frutos persistem na planta, secos e rígidos, cobertos por cápsulas densas e ovoides. Os estames secos são escuros e acastanhados, e é comum permanecerem até à primavera seguinte ou mesmo até ao verão.
A planta produz uma raiz pouco ramificada e pouco profunda.
No passado eram atribuídas ao verbasco virtudes tanto medicinais como mágicas. Hoje em dia, tanto flores como folhas são muito usadas na composição de remédios naturais, especialmente destinados a combater a tosse provocada por problemas pulmonares e também para tratamento de certas doenças de pele.
Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/
(exceto quando especificado).
Fotos - Dunas da Areia Branca/Lourinhã

Sem comentários:

Enviar um comentário