"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





quinta-feira, 2 de junho de 2011

Centaurium tenuiflorum (Hoffm. & Link) Fritsch syn. Centaurium pulchellum Druce


Centáurea-de-flores-estreitas

A Centaurium tenuiflorum é mais uma planta da família das Gentianiaceae, do mesmo género da Centaurium erythraea (já publicada neste blog, no dia 01 de junho 2011). No entanto, tendo em conta algumas características morfológicas distintas é, sem dúvida, uma espécie diferente.
É uma planta nativa da Europa e que se distribui pelo sul e oeste europeu incluindo a região Mediterrânica e algumas regiões da Ásia. Encontra-se ainda na América do Norte e Austrália, onde foi introduzida e se naturalizou. Em Portugal cresce espontaneamente em algumas regiões do nordeste, no litoral centro e interior sul. Cresce quer em locais arenosos e pedregosos quer em campos húmidos não cultivados.

A Centaurium tenuiflorum é uma planta herbácea, sem pelos, ereta, anual, atingindo cerca de 25 cm de altura.
Por vezes os caules são solitários mas mais frequentemente são muito ramificados na parte terminal.
Os caules são retos e inseridos em ângulo agudo com o caule principal, formando um conjunto alongado e estreito .
 
Os caules são finos e de seção quadrangular. A planta não apresenta roseta basal ou é fracamente desenvolvida. As folhas caulinares são inteiras, opostas, de forma ovada e terminam em ângulo quase agudo, tornando-se mais longas e estreitas em direção ao ápice. A textura das folhas é ligeiramente carnuda e suculenta.
As flores são pequenas, numerosas, radialmente simétricas, com pedicelo curto e agrupam-se numa cimeira bípara relativamente densa. Quer isto dizer que o eixo principal é de crescimento limitado e se bifurca terminando em duas flores, repetindo-se esta disposição nos eixos inferiores laterais. As corolas são formadas por 5 pétalas estreitas e de cor rosa, fundidas num longo tubo, de cuja base despontam estames com anteras amarelas.
O cálice, tubular, é constituído por 5 sépalas que são muito estreitas e compridas.
O período de floração ocorre de junho a agosto. À medida que a flor envelhece o cálice começa a inchar até á formação dos frutos. Estes são cápsulas ovoides que contêm numerosas e minúsculas sementes.
Nota :
É importante não confundir esta planta que é do género Centaurium e família Gentianaceae com a Centaurea do género Centaurea e família das Compositae, até porque são morfologicamente diferentes.

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/


(exceto quando especificado).
Fotos : Caniçal e Areal Sul/Lourinhã

Sem comentários:

Enviar um comentário