"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Carduus tenuiflorus Curtis Syn: Carduus acanthoides sensu Brot., non L., Carduus pycnocephalus L. Subsp. Tenuiflorus (Curtis) Arènes

Cardo-azul


O Carduus tenuiflorus conhecido popularmente por cardo, cardo-azul ou cardo-anil, é uma planta espinhosa, pertencente à familia das Asteraceae/ Compositae e ao género botânico dos Carduus, o qual inclui mais de 90 espécies de cardos (ver aqui).


O Carduus tenuiflorus é uma planta nativa da Europa ocidental e norte de África mas é bem conhecida noutros continentes onde foi introduzida. Tal como todas as plantas do seu género, prefere os solos ricos em nutrientes e os climas de chuvas moderadas.

Podemos encontrá-la não só em campos incultos mas também em terrenos cultivados, beiras de caminhos e estradas, de preferência em terrenos remexidos ,os quais são mais fofos e ricos em azoto/nitrogénio. É geralmente considerada uma erva daninha pois tem tendência a formar grandes colónias, impedindo outras espécies de germinar e contaminando prados e pastagens.

O Carduus tenuiflorus é uma planta anual que pode crescer até 1 metro de altura. Germina durante o outono dando origem a uma roseta basal cujas folhas vão crescendo durante o inverno e a partir da qual brotam os caules, na primavera.

Os caules podem ser solitários ou múltiplos a partir da base e são simples ou ramificados na parte aérea. O caule ou caules principais são alados, apresentando uma expansão lateral em forma de folha com cerca de 1 cm de largura que vai formando segmentos triangulares, com um espinho em cada ápice.

As folhas são profundamente recortadas, de oblanceoladas a lanceoladas. A página inferior está coberta por pelos muito finos, macios e flexíveis, levemente entrecruzados, semelhantes uma teia de aranha e que lhe dão um aspeto esbranquiçado.


As flores, de cor lilás agrupam-se em pequenas inflorescências do tipo capítulo, cilíndricas, sem pecíolo ou com pecíolo muito curto, dispostas em densos grupos, na extremidade dos caules. As flores do disco (nos capítulos) são todas tubulares e constam de um tubo de 3 a 6 mm que se abre para o exterior.

O invólucro é ligeiramente peludo e as brácteas que o formam são imbricadas (dispostas umas sobre as outras tal como as telhas de um telhado), largas, de margens membranosas e espinhosas.


O Carduus tenuiflorus tem uma estrutura pouco rígida pelo que, devido à gravidade e ao vento norte que sopra frequentemente nesta região, os ramos se deixam amolecer e descair um pouco.
É também um cardo modesto, cujas pequenas e delicadas inflorescências nem sempre se destacam em grandes manchas de cor, por não florirem ao mesmo tempo.

Em compensação, é durante a maturação dos frutos que as cabeças florais se tornam mais visíveis porque quando as sedas que se inserem numa das extremidades do fruto se começam a soltar, as inflorescências transformadas em infrutescências, ficam bem maiores.

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/

(exceto quando especificado).

Fotos: Areal Sul e Caniçal/Lourinhã

Sem comentários:

Enviar um comentário