"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





terça-feira, 3 de maio de 2011

Asteriscus aquaticus (L.) Less. Syn: Odontospermum aquaticum (L.) Sch. Bip.

Pampilho aquático, pampilho-de-água, asterisco-da-água


O Astericus aquaticus, ao contrário do que o nome pode fazer crer, não é uma planta aquática mas sim uma espécie que prefere os habitats em zonas perto do mar, podendo também ser encontrada em regiões do interior.

Vive em terrenos incultos ou pastagens, proliferando melhor onde possa encontrar alguma humidade não só no solo mas também ambiental. Distribui-se pelas regiões mediterrânicas e Macaronésia (Ilhas do Atlântico: Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde).
Esta espécie pertence à família das Asteraceae/Compositae cuja principal característica comum é a forma como as flores se agrupam em capítulos, tal como os malmequeres. O género botânico em que esta planta se inclui é o género Asteriscus, nome que vem do grego asteriskos que significa pequena estrela e que ilustra perfeitamente o aspeto morfológico das suas inflorescências e brácteas.

O Asteriscus aquaticus é uma planta anual que forma um pequeno arbusto podendo ir dos 10 aos 50 cm de altura. Os caules são eretos, simples ou ramificados na parte superior, com ramos laterais que geralmente ultrapassam o eixo principal.
As folhas são inteiras, oblongas ou oblongo-lanceoladas, por vezes dobradas ao meio ao longo da nervura mediana, de modo a que as metades do limbo ficam quase justapostas. Caules e folhas estão cobertos por um indumento de pelos fracos e densos.


Esta espécie floresce de abril a junho. As flores são de um belo amarelo dourado e apresentam-se reunidas em capítulos.


As flores são muito numerosas, pequenas, de formato tubular e estão comprimidas num disco central. Apenas as flores da periferia deste disco têm lígulas, semelhantes a pétalas, as quais proporcionam visibilidade a todo o conjunto, para atrair os insetos polinizadores. Desta forma as restantes flores, livres da função de criar pétalas, concentram as suas energias em produzir sementes.
  

Cada lígula é formada por 3 ou 5 pétalas unidas, variando de espécie para espécie. No caso do Asteriscus aquaticus as lígulas são formadas por 3 pétalas, conforme se pode comprovar ao contar os bicos na extremidade de cada uma delas.

As brácteas que protegem todo o conjunto de flores estão dispostas em duas camadas desencontradas, formando uma estrela sob o capítulo amarelo; são grandes, oblongo-lanceoladas e maiores que os capítulos.


Os frutos são secos, do tipo cipsela, com uma só semente e com um tufo de escamas muito pequenas e apenas visíveis.


Em Portugal existem mais duas espécies do género Asteriscus:
Asteriscus spinosus, que podemos encontrar em quase todo o território, com exepção do interior centro e parte do litoral alentejano. Esta espécie distingue-se por ter grandes brácteas espinhosas;
Asteriscus maritimus, que aparece no litoral algarvio e se diferencia pelos seus grandes capítulos, de tamanho igual ou maior que as brácteas involucrais.

Esta é uma especie frequentemente utilizada como planta ornamental, em jardins.

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/


(exceto quando especificado).
Fotos - Caniçal/Areia Branca- Lourinhã

2 comentários:

  1. Olá, desculpem-me o comentário, mas penso que este não é o spinosus mas antes o Asteriscus maritimus.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá Crix, agradeço o seu contato e a sugestão, no que diz respeito à identificação da espécie do género Asteriscus que mencionei neste post. Devo dizer-lhe que tive algumas dúvidas mas não a identifiquei como A.maritimus porque a espécie em questão é anual enquanto que a A. maritimus é perene. Além disso esta espécie diferencia-se da A.maritimus por ter as lígulas muito mais curtas e ainda porque tem as brácteas muito maiores que os capitulos. Reparei agora que esta espécie parecer gostar de terrenos húmidos pois esteve exuberante durante as primaveras muito húmidas dos anos anteriores e este ano se tem ressentido com o tempo mais seco e quente.
    Perante estas premissas, o que é que acha de Asteriscus aquaticus? Estarei no caminho certo? Gostaria me desse a sua opinião.
    Agradeço desde já.
    Um abraço
    Fernanda Nascimento

    ResponderEliminar