"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





segunda-feira, 25 de abril de 2016

Erica scoparia L.

Erica scoparia e subespécies:
Erica scoparia subsp. scoparia
Erica scoparia - da família Ericaceae e do género Erica - é uma das urzes europeias de maior envergadura. Frequentemente, quando pensamos em urzes, logo as relacionamos com arbustos de pequeno porte, o que de facto acontece com a Calluna vulgaris ou  a Erica cinerea (já anteriormente descritas neste blog), ou ainda com outras espécies também existentes no nosso país nomeadamente do género Erica, como E. tetralix, E. ciliaris, E. umbellata ou E. andevalensis.
Porém, existem outras espécies de urzes que assumem um porte bastante mais avantajado, podendo atingir entre 3 a 7 m de altura, consoante a espécie. Estão neste caso Erica arborea, Erica lusitanica, Erica australis e Erica Scoparia.
Entre as acima mencionadas, Erica scoparia foi a espécie escolhida como tema da entrada de hoje.
Erica scoparia subsp. scoparia
Esta urze forma arbustos eretos e frondosos, de porte generoso e com ramos aprumados e glabros os quais foram, em épocas passadas, muito usados para fazer vassouras. Vem daí o nome específico scoparia que deriva do termo em latim “scopae” que significa escova ou vassoura. A madeira dos troncos mais velhos é muito densa, pelo que constitui um excelente combustível. Foi muito usada para fazer carvão e a sua madeira utilizada para alimentar os fogões de lenha e para aquecer os fornos de cozer o pão. Também dela se fazem pequenos objetos como cachimbos. Na arte do mobiliário decorativo é utilizada na execução de paneis marchetados ou em embutidos.

Erica scoparia vegeta nos mesmos ambientes que Erica arborea com a qual é muitas vezes confundida e da qual se diferencia, sobretudo pelo seu tamanho mais modesto. Em E.scoparia os ramos jovens são glabros mas em E.arborea estão cobertos com densos pelos ramificados ou denticulados. A diferença mais visível reside na floração branca, densa e vistosa de E. arborea, ao contrário de Erica scoparia cuja floração é mais modesta.
Erica arborea - Fonte Wikipedia/ Foto de Xemenendura
De forma geral, Erica scoparia ocorre na zona ocidental do Mediterrâneo (sul da Europa e norte de África) e algumas ilhas da Macaronésia (Açores, Madeira e Canárias). No entanto, esta espécie evoluiu em 4 direções diferentes, formando 4 subespécies, tantas quantos os habitats específicos onde ocorre:
- Subespécie scoparia, ocorre na zona ocidental do Mediterrâneo (sul da Europa e norte de África).
- Subespécie azorica, endémica dos Açores.
- Subespécie maderincola, endémica da Madeira.
- Subespécie platycodon, endémica das Canárias.
Morfologicamente, as subespécies de Erica scoparia são muito semelhantes. As diferenças refletem-se no tamanho das folhas, tamanho e cor das flores, mas sobretudo, no tamanho e forma dos frutos e das sementes.

NOTA:
Na generalidade, subespécies são populações de uma mesma espécie que diferem entre si quanto a determinadas características mas não, ainda, as suficientes para serem consideradas espécies diferentes.
A formação das subespécies ocorre quando acontece um isolamento geográfico de populações de uma mesma espécie, deixando de haver trocas de genes entre elas. Obrigadas a adaptarem-se a diferentes condições ambientais, as populações adquirem características próprias, mais adequadas ao novo habitat, ao mesmo tempo que sofrem mutações que as vão tornando geneticamente diferentes. As subespécies continuam a ter a capacidade de se cruzarem, produzindo descendentes férteis. Este processo demora milhões de anos e a evolução é permanente. Se, e quando, essas alterações genéticas tornarem as subespécies reprodutivamente incompatíveis, ter-se-ão transformado em novas espécies. Ou seja, as subespécies representam uma etapa de transição na formação de novas espécies.

Foi há milhões de anos que as sementes de Erica scoparia chegaram às ilhas da Macaronésia, vindas da bacia mediterrânica. A forma como lá chegaram é ainda pouco conhecida. Contudo, conhecem-se certas rotas ou trilhos, entretanto desaparecidos, e que podem ter permitido que tantas espécies tenham chegado aos arquipélagos de Açores, Madeira e Canárias. Há muito que esses trilhos desapareceram, em virtude das alterações registadas na disposição dos mares e continentes, nomeadamente, a separação da África do norte do sul da Europa, a abertura do Mediterrâneo ao Atlântico através do estreito de Gibraltar, a submersão progressiva de várias ilhas atlânticas que serviam de escala e ainda a desertificação do Sahara, que antes era uma região de florestas. Foram, assim, criadas barreiras geográficas que levaram ao desaparecimento de rotas que durante milhões de anos tinham funcionado como passagem e através das quais, importantes grupos de espécies se vieram a estabelecer nas ilhas atlânticas, não só a partir do Mediterrâneo mas também da África do sul.
Mapa dos territórios incluídos na chamada Macaronésia.
Macaronésia é o nome que designa uma região biogeográfica de particular riqueza botânica que inclui os arquipélagos dos Açores, Madeira, Canárias, Cabo Verde e ainda uma faixa costeira do noroeste de África. Estas regiões apresentam ecossistemas únicos e uma elevada diversidade de espécies e endemismos. A Macaronésia não foi seriamente afetada pelas sucessivas alternâncias climatéricas de grande impacto do período quaternário, pelo que muitas espécies extintas na Europa continental conseguiram sobreviver nos territórios da Macaronésia. Muitas dessas espécies fazem parte do que resta das florestas Laurissilva, recheadas de verdadeiras relíquias.
Uma vez instaladas nos Açores, Madeira e Canárias, as Erica scoparia deixaram de ter contacto com as populações suas ancestrais do sul da Europa. Tão-pouco houve intercâmbio com as populações dos outros arquipélagos. Desta forma, deixou de haver troca de genes pelo que, ao longo de milhares de anos, evoluíram de 4 formas ligeiramente diferentes, tendo dado origem a 4 subespécies. Esta evolução foi condicionada pela necessária adaptação a condições climáticas e recursos nutricionais bastante diferentes. Como diria Darwin a propósito do seu conceito de seleção natural, não são os mais fortes que sobrevivem, mas sim aqueles que melhor sabem adaptar-se.

Erica scoparia subsp. scoparia L.
Nomes comuns:
Urze-das-vassouras; vassoura; urze-durázia; moita-alvarinha.
De forma geral, Erica scoparia subsp.scoparia distribui-se como autóctone pelo sul da Europa (Portugal, Espanha, sul de França e Itália) e África do norte. 
Distribuição de Erica scoparia subsp.scoparia em Portugal continental.
Fonte: Flora Digital de Portugal UTAD
No nosso país, Erica scoparia subespécie scoparia ocorre apenas no território continental. É inexistente nos Açores e Madeira onde está representada pelas subespécies endémicas. 
Esta subespécie pode encontrar-se desde as areias costeiras até 900 m de altitude. Medra em matagais, clareiras e orlas dos bosques onde rivaliza com outras espécies amantes de solos siliciosos mas não excessivamente ácidos, nomeadamente outros tipos de urzes, tojos, estevas, roselhas, giestas e rosmaninhos. Embora suportem alguma seca, desenvolvem-se melhor em substratos com alguma humidade. 
Erica scoparia subsp. scoparia
Os ramos e troncos são eretos e aprumados, de cor castanho-clara com laivos cinzentos, podendo atingir 2 metros de altura, ou mais, nos exemplares mais antigos.
Erica scoparia subsp. scoparia

Erica scoparia subsp. scoparia 

As folhas, por vezes de um verde luminoso, são muito estreitas, com as margens muito recurvadas para a página inferior; são glabras e algo lustrosas, dispondo-se de forma circular nos ramos, em verticilos de 3 ou 4.
Erica scoparia subsp. scoparia 
As flores, de tamanho diminuto, formam cachos longos e densos, ligando-se aos ramos através de pequenos pedúnculos grossos. 
Erica scoparia subsp. scoparia 
As corolas, de cor esverdeada ou amarelada, estão unidas tomando uma forma acampanulada, com bordos profundamente fendidos.
O cálice é formado por 4 sépalas ovadas e glabras.
Erica scoparia subsp. scoparia 
As flores estão equipadas com órgãos reprodutores masculinos e femininos. Os estames e as anteras são 8, mas são mais curtos que as pétalas pelo que estão inclusos dentro da corola. Do ovário emerge um estigma relativamente grande e em forma de disco, o qual toma cor rosada com a maturação.
Erica scoparia subsp. scoparia 
Dependendo das condições atmosféricas esta planta floresce durante a primavera e o verão. Contudo, o período de floração é muito breve e por vezes, nem se dá por ela, pois as flores, por serem de cor esverdeada passam despercebidas por entre as folhas.
Os frutos são cápsulas que se abrem através de 4 valvas.

Erica scoparia subsp. azorica (Hochst. ex Seub.) D. A. Webb
Nomes comuns:
Urze; vassoura; mato; barba-do-mato


Erica scoparia subsp. azorica. Fonte: Portal SIARAM

Esta subespécie de E.scoparia é endémica dos Açores, estando presente em todas as ilhas, ocorrendo desde o nível do mar até aos 2000 m de altitude.
É um arbusto de porte arbóreo que no seu apogeu pode atingir mais de 5 m de altura, embora seja difícil encontrar colónias de espécimes antigos por ser muito utilizada como combustível e para fazer carvão. Encontra-se predominantemente nas encostas rochosas costeiras. A sua presença é de suma importância como reconstrutora florestal, sendo uma das primeiras espécies arbóreas a recolonizar áreas sem vegetação, principalmente acima dos 500 m de altitude.
Esta subespécie está protegida pela Convenção de Berna e pela Directiva Habitats.
Erica scoparia subsp. azorica. Fonte:Portal SIARAM
“Normalmente desenvolvem-se em substrato lávico basáltico pouco evoluído e com forte exposição aos ventos. É um substrato pobre de fraca capacidade de retenção hídrica. A capacidade de colonização de solos lávicos desta Erica levam à possibilidade de se formarem bosques em substratos jovens, provavelmente originando a primeira colonização. A distribuição mundial de ericáceas é designada por "heathlands". Estes geralmente apresentam solos pobres e ácidos. Atualmente, a sua distribuição é restrita, o que se deve à procura da madeira da Erica azorica para obtenção de lenha e carvão. Apesar desta ser uma espécie protegida, ainda se encontram braçadas e pilhas de troncos de Erica em muros junto aos fornos, nas ilhas do Pico e São Jorge”. Fonte (Centro de Ciência de Angra do Heroísmo)
Comunidade pioneira de Erica scoparia subsp. azorica. Fonte: Centro de Ciência de Angra do Heroísmo
Erica scoparia subsp. maderincola D. McClintock
[(sinonimo: Erica platycodon subsp. maderincola (D.C.McClint.) Rivas Mart. & al.] 
Nomes comuns: 
Urze-das-vassouras; urze durázia
Esta subespécie é endémica da ilha da Madeira (rara em Porto Santo), muito comum nas comunidades de substituição nas florestas Laurissilva, sendo uma das espécies mais utilizadas no restauro de áreas ardidas onde aparece associada a Erica arborea, entre muitas outras espécies. É uma planta de altitude, crescendo principalmente acima dos 1000 m nos solos pedregosos das encostas rochosas, resistente ao vento e às amplitudes térmicas.

Erica scoparia subsp. platycodon (Webb & Berthel.) A.Hansen & G.Kunkel
Nome comum : Tejo
Esta subespécie é endémica das Canárias onde cresce em altitude, entre os 800 e os 1100 m, nas encostas mais escarpadas e batidas pelos ventos húmidos dominantes em La Gomera e Tenerife.

Fotos de Erica scoparia subsp. scoparia: Serra do Calvo/Lourinhã


2 comentários: