"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





terça-feira, 15 de outubro de 2013

Scilla autumnalis L. syn Prospero autumnale (L.) Specta.

Nome comum: Cila-de-outono
Scilla autumnalis é uma pequena e belíssima planta que vive em colonias mais ou menos extensas, geralmente florindo ao mesmo tempo que outra preciosidade, a Acis autumnale. Veja AQUI.
Scilla autumnalis floresce em finais de setembro ou inícios de outubro, sendo condição que o solo receba as primeiras chuvas prenunciadoras do outono.
É interessante notar que esta espécie desponta de um dia para o outro, de forma súbita e inesperada, dando a ideia de estar prontinha debaixo da camada de terra, na linha de partida, apenas aguardando pelos primeiros pingos.
Podemos encontra-la em pastos secos, áreas desmatadas, terrenos rochosos ou arenosos, distribuindo-se por quase toda a Europa, Noroeste de África e sudoeste asiático.
Distribuição em Portugal - Flora Digital de Portugal - UTAD
Scilla autumnalis cresce a partir de um pequeníssimo bolbo de forma ovoide ou esférica. Após o verão, terminado o tempo de dormência habitual nos bolbos, surge um único escapo floral, ereto, glabro e robusto, de 10 a 15 cm de altura.
As folhas, lineares e em número variável, são todas basais; só surgem após a floração e permanecem na planta até à primavera, enquanto o bolbo repõe energias.
Cada escapo floral produz de 3 a 15 flores providas de um pedúnculo e agrupadas num cacho simples e alongado cujo ápice termina numa flor. As primeiras flores a abrir são as da parte de baixo do cacho, progredindo gradualmente para o ápice.
As flores são muito pequenas não excedendo os 6 ou 7 mm de diâmetro.
Cada flor tem 6 tépalas (3 sépalas + 3 pétalas indiferenciadas) de cor azul ou violeta, oblongas ou quase elípticas, com uma nervura longitudinal de um tom ligeiramente mais escuro; estes segmentos dispõem-se de forma simétrica, em forma de estrela. As flores têm órgãos reprodutores masculinos e femininos. Os 6 estames são eretos, com filamentos grossos de cor clara e vistosas anteras de um tom de azul muito escuro.
Os frutos são pequenas capsulas globosas que na maturação ficam cor de palha e se abrem longitudinalmente em 3 lóculos, cada um deles contendo de 1 a 2 sementes, pretas e semelhantes a pequenos cones.


Durante décadas esta planta foi conhecida como Scilla autumnalis L. mas recentemente for rebatizada com o nome Prospero autumnale (L.) Specta. Apesar de tudo, conforme as regras, o nome anterior é absolutamente valido e continua a ser usado pela maioria.
No que diz respeito à classificação científica da Scilla autumnalis, a situação é extremamente confusa. Apesar das modernas técnicas que providenciam dados morfológicos, quimiotaxonomicos, , citológicos e moleculares os especialistas estão indecisos quanto à família e género, tantas são as características a ter em conta; em consequência muitas divisões foram feitas, géneros viajaram de uma situação para outra, muitas vezes o dito foi dado por não dito e assim nada está ainda totalmente resolvido no que diz respeito a esta espécie. Não só falta consenso mas, mais complicado que isso, as entidades de referência parecem não conseguir decidir-se com convicção.
De forma muitíssimo simplificada, a situação é a seguinte: Scilla autumnalis pertenceu em tempos à família Liliaceae, foi posteriormente incluída na família Hyacinthaceae a qual se tornou numa subfamília também chamada Scilloideae e que está de momento incluída na família Asparagaceae. (APG III, 2009).

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/

(exceto quando mencionada outra fonte).

Fotos: Serra do Calvo/Lourinhã

Sem comentários:

Enviar um comentário