"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





sábado, 24 de novembro de 2012

Convolvulus arvensis L.

Nomes Comuns:
Corriola; Corriola-campestre; Corriola-mansa; Erva-garriola; Estende-braços; Engatateira; Garriola; Trepa-trepa; Verdeselha; Verdezelha; Verdisela; Verdiselha

Convolvulus arvensis é uma pequena perene da família Convolvulaceae e do género Convolvulus, o qual inclui muitas espécies consideradas daninhas e de grande poder invasivo. Apesar disso, algumas espécies deste género são cultivadas em jardins quer como trepadeiras quer como cobertura de solo, tirando partido do seu rápido crescimento e das cores vibrantes das suas grandes flores de aspeto delicado. Porém, tal não é o caso da Convolvulus arvensis que, embora de pequena envergadura e de aspeto delicado e inofensivo, é uma espécie altamente invasora.
Jardim de Rocha
Fonte: Jardins du Gué
Pessoalmente e apesar da sua comprovada má fama, considero que esta planta, ainda assim, pode ser utilizada com sucesso em certos tipos de jardins, sobretudo em jardins de rocha (dos quais sou fã), desde que haja o cuidado de a confinar ao espaço que lhe tenha sido destinado. Afinal é uma planta bem bonita e resistente e só poderá fazer mal se estiver no lugar errado, tal como acontece com tantas outras espécies.
Conforme o próprio nome indica, a Convolvulus arvensis é uma espécie essencialmente campestre (do latim arvense = que cresce em terra de cultivo); é nativa da Eurásia mas encontra-se disseminada por quase todo o mundo, tendo-se adaptado com sucesso a vários tipos de habitats, nomeadamente em zonas temperadas e nos trópicos.
Distribuição em Portugal
Fonte: Flora Digital de Portugal
Em Portugal é frequente em quase todo o território, constância essa que é confirmada pela quantidade de nomes vernáculos pela qual é conhecida no nosso país.
A Convolvulus arvensis floresce de abril a outubro, quer em campos incultos, beira de caminhos, pomares ou terrenos cultivados, manifestando natural preferência por terrenos repetidamente remexidos, onde melhor se propaga. È uma espécie indicadora de terrenos com riqueza de nutrientes de nível médio, não suportando solos muito fertilizados.
A Convolvulus arvensis produz uma cobertura de solo que pode ser muito densa, reproduzindo-se por sementes ou através do seu profundo e extensivo sistema radicular. Os seus rizomas, engrossados com reservas de carbohidratos e proteínas, podem atingir mais de 2 m de comprimento e as raízes mais de 7 m. Inicialmente, a raiz principal, que desponta do rizoma, enterra-se profundamente no solo; simultaneamente formam-se raízes laterais que são superficiais mas que por sua vez começam a crescer para baixo quando chegam perto dos 100 cm de comprimento; das raízes laterais podem surgir rebentos que darão origem a series sucessivas de novas plantas e respetivos sistemas radiculares.
Cada pedaço do extenso rizoma tem a possibilidade de criar raízes pelo que, numa tentativa de remover a planta de forma definitiva não basta arranca-la pois é praticamente impossível recolher todos os pedaços do sistema radicular, muito espalhado e profundamente enterrado. A própria maquinaria utilizada para lavrar os terrenos infestados ajuda a disseminar os pedaços de rizoma.
A Convolvulus arvensis não só priva as culturas de uma boa parte da água e nutrientes disponíveis, como ao crescer se enrola nas plantas cultivadas procurando suporte, envolvendo-as e muitas vezes, abafando-as por completo. Tendo em consideração a sua distribuição cosmopolita, rápido crescimento e abundancia de colonias, o impacto na economia de certos países é bastante desastroso, como é o caso dos Estados Unidos da América e do Canadá, pelo que a Convolvulus arvensis não só foi colocada no top 10 das piores plantas daninhas (Holm et al., 1977) como foi também considerada uma das plantas mais problemáticas para a agricultura. 
Curiosamente existe muita informação sobre os malefícios da Convolvulus arvensis na agricultura, principalmente nas plantações de cereais, mas pouco se sabe sobre o impacto desta espécie em pastagens e sobretudo em áreas naturais.

A Convolvulus arvensis é uma planta herbácea, glabra ou com indumento de pelos densos e fracos. Os caules, profusamente ramificados, são finos e longos, chegando a atingir 2 m ou mais, de comprimento; são volúveis (enrolando-se em hélice sobre um suporte) ou rastejantes, conforme a situação se lhe apresente.
As folhas, inteiras e de pecíolo alongado, são alternas embora cresçam em posições desiguais ao longo do caule; apresentam formato oblongo ou ovado-oblongo, umas vezes em forma de coração estilizado invertido, outras vezes em forma de seta.

De notar que a Convolvulus arvensis é uma espécie muito variável na morfologia e tamanho das folhas, assim como na cor da corola das flores e no maior ou menor desenvolvimento do indumento. Estas variações são, presumivelmente, resultado da influência de fatores ambientais, nomeadamente as condições de maior ou menor secura ou localizações  sujeitas a pisoteio.

As flores nascem solitárias ou em grupos de 2 ou 3, na axila das folhas, encimando pedúnculos angulosos e nos quais se podem ver um par de bracteolas lineares.
A corola, afunilada, é formada por 5 pétalas unidas de cor branca ou rosa-pálido, por vezes com uma faixas mais escuras entre as pétalas.
O cálice é composto por 5 sépalas densamente peludas, oblongas e separadas, de consistência coriácea e margens membranosas, sendo persistentes na frutificação.

Cada flor está provida de órgãos reprodutores femininos e masculinos funcionais. Os 5 estames, brancos e de tamanho desigual, estão ligados à base da corola e apresentam anteras também brancas e providas de papilas. O pistilo é composto por 2 estigmas lineares. É na base do tubo formado pela fusão das pétalas que se forma o néctar com que a Convolvulus arvensis premeia os numerosos polinizadores, sobretudo abelhas, vespas e borboletas que a visitam. A produção de néctar representa um esforço suplementar em termos de gasto de energia por parte da planta mas este incentivo aos insetos tem como objetivo leva-los a viajarem de flor em flor para conseguirem mais alimento, o que favorece a polinização cruzada. Sem o constante vai-e-vem dos insetos carregando o pólen de uma flor para a outra existiriam mais riscos de haver autopolinização, considerando que as flores se apresentam em grupos extensos.
Fruto e sementes
Fonte - Federal Noxious Weed of U.S.A.
Os frutos são cápsulas esféricas, glabras, de cor castanha e com sementes escuras e de superfície rugosa. Os frutos geralmente contêm de 1 a 4 sementes, cuja forma depende do número produzido no fruto; uma só semente é esférica mas ficam progressivamente mais estreitas conforme mais sementes são produzidas.

Após a maturação as sementes tornam-se impermeáveis e são muito persistentes podendo permanecer em dormência durante várias décadas (50 anos ou mais, se estiverem profundamente enterradas no solo). Geralmente as sementes caiem no solo perto da planta-mãe mas também podem ser arrastadas pela água ou serem comidas pelas aves que assim as transportam para outros locais; as sementes podem passar pelo processo digestivo das aves sem sofrerem grande prejuízo nas suas capacidades germinativas.


Enfim, podemos dizer que a Convolvulus arvensis é uma lutadora e será uma sobrevivente pois aparentemente calculou todas as opções e tomou todas as medidas possíveis no que toca ao sucesso da reprodução e sobrevivência da espécie. Espécie prevenida…

 Sinonimias:
Convolvulus arvensis L. subsp. arvensis
Convolvulus arvensis L. subsp. crispatus Franco

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/
(exceto quando especificado).

Fotos: Serra do Calvo / Lourinhã

2 comentários: