"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Crucianella maritima L.

Granza-da-praia; Granza-marítima; Rubia-da-praia


Esta é mais uma planta psamófila, ou seja, perfeitamente adaptada aos solos arenosos. A Crucianella maritima é caracteristica dos sistemas dunares e vive na parte mais recuada das dunas frontais,  estendendo-se para as dunas secundárias, as quais são um pouco mais ricas em matéria orgânica e menos fustigadas pelos ventos do norte e salpicos salgados.

A Crucianella maritima distribui-se por toda a região mediterrânica ocidental, formando comunidades de pequenos arbustos vivazes, de ramos retorcidos e lenhosos na base.


Os caules podem atingir até cerca de 50 cm de altura, os mais jovens de porte ascendente e os mais velhos por vezes ligeiramente prostrados.


As folhas desta espécie são mais um exemplo de como as plantas encontram soluções inteligentes que lhes permitem fazer face às duras condições dos habitats onde vivem.


Assim, podemos ver que as folhas da Crucianella maritima adotaram uma disposição densamente imbricada que lhes permite uma menor exposição aos agentes responsáveis pela desidratação, tal como o sol e os ventos fortes; as folhas, de consistência algo coriácea apertam-se em redor do caule em filas de 4, desencontradas como as telhas de um telhado e terminam numa ponta curta e rígida; as margens das folhas são esbranquiçadas, firmes mas elásticas.




As flores, possuidoras de orgãos masculinos e femininos, são solitárias e nascem nas axilas das folhas, ao longo dos caules, de forma que lembra uma espiga; o peciolo é curto ou mesmo inexistente; o cálice é minúsculo e a corola, de cor amarela, é constituida por 5 pétalas que formam um tubo estreito e comprido, ultrapassando largamente as brácteas, semelhantes a folhas; a extremidade das pétalas curva-se para o interior.

A Crucianella maritima floresce e frutifica de março a setembro.
O fruto é uma capsula minúscula de formato ovoide, geralmente contendo 2 sementes.

A Crucianella marítima pertence à família botânica das Rubiaceae a qual é constituída por mais de 13.000 espécies distribuídas por cerca de 650 géneros, na sua maioria arbustos e árvores. Esta é uma das maiores famílias botânicas de plantas produtoras de flor (angiospérmicas) e a sua importância a nível global é muito relevante sobretudo porque uma das espécies desta família é a planta do café, do género Coffea, utilizada para fazer uma das bebidas mais consumidas em todo o mundo.  

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/

(exceto quando especificado).

Fotos: Praia da Areia Branca/Areal Sul

 

domingo, 2 de outubro de 2011

Linum usitatissimum subsp. angustifolium (Huds.) Thell.

Linho


O Linum angustifolium cresce como planta bienal ou perene em locais secos e ensolarados, de solos calcários ou neutros.

Em Portugal, de uma forma geral, distribui-se por todo o território, desde o litoral até às terras altas do interior, desde que não sejam ultrapassados os 1000 metros de altitude.


Não sendo uma espécie especifica das zonas costeiras podemos, ainda assim, encontrar algumas pequenas colónias na primeira linha das dunas do Areal Sul, na Praia da Areia Branca; ladeiam um dos caminhos mas em posição abrigada dos ventos do norte.


Esta planta tem caules cilíndricos e compridos, prostrado-ascendentes ou ascendentes, geralmente ramificados. As folhas, esparsas, são finas e de margem lisa, alternas e sem pecíolo.


As flores, de cor azul claro (por vezes, brancas) com nervuras bem marcadas de um tom mais escuro, têm 5 pétalas, 5 sépalas e 5 estames.


Os estames apresentam-se unificados e as sépalas, que constituem o cálice, crescem separadas uma das outras e persistem durante a frutificação. As flores possuem órgãos reprodutores masculinos e femininos e são maioritariamente polinizadas por abelhas e vespas.
Floresce e frutifica de março a agosto.


O fruto é uma cápsula globosa dividida em 5 cavidades onde se formam as sementes.


As sementes são achatadas, brilhantes e relativamente pequenas, de cor variável entre o amarelo e o castanho claro.
O Linum angustifolium pertence à família botânica das Linaceae a qual inclui cerca de 120 espécies distribuídas por 10 géneros, dos quais o género Linum é sem dúvida o mais importante. Por sua vez o género Linum tem 20 espécies que se distribuem pelos climas temperados da Europa e da Ásia e 50 espécies espalhados pelo continente americano.

É a espécie Linum usitatissimum  que fornece as bem conhecidas e excelentes fibras têxteis; esta é uma espécie cultivada que terá derivado da espécie espontânea Linum angustifolium, nativa da região mediterrânica. Curiosamente parece ter havido alguma indecisão na classificação destas duas espécies uma vez que partilham os mesmos nomes científicos (ver sinónimos no final do “post”). Este não é caso único e assim acontece porque por vezes as diferenças entre as plantas são tão diminutas que se torna difícil, mesmo para os especialistas, classifica-las como sendo da mesma espécie ou subespécie ou espécie distinta. Hoje em dia, em que se pode recorrer ao ADN através da bioinformática está tudo mais facilitado. Assim, estudos recentes da RAPD (ver detalhes aqui) comprovam que as espécies Linum usitatissimum, Linum angustifolium e Linum bienne são estreitamente aparentadas, não só no aspecto morfológico mas também no que diz respeito à componente genética.

O linho tem sido cultivado desde há milhares de anos, não só pelos seus caules dos quais se extraem as fibras para o fabrico de tecidos mas também pelas suas sementes oleaginosas que são usadas para fins comerciais e medicinais.
A espécie  Linum angustifolium foi uma das primeiras fibras a ser utilizada na confeção de texteis, havendo evidencias da sua  utilização que datam de 8000 a.c. Vários povos da antiguidade, entre os quais os egípcios e os hebreus, teciam o linho de forma muito perfeita e usavam-no em velas de barcos, decoração de interiores e sobretudo nos ritos funerários. A cultura do linho era de primordial importância para economia destes povos, a ponto de ser referida no Antigo Testamento. A cultura do linho terá sido introduzido na Península Ibérica há mais de 4.500 anos, conforme comprovado por vestígios arqueológicos encontradas no Algarve.


As sementes do linho têm também grande importância económica pois depois de moidas, delas se extrai o óleo de linho (mais puro e prensado a frio) e o óleo de linhaça (fervido e com aditivos) os quais têm multiplas utilizações na indústria como por exemplo no fabrico de vernizes e na diluição de tintas para pintura artística, forragem para animais, entre outros.
As sementes de linho têm comprovadas propriedades medicinais, muito variadas, desde  antiespasmódico, analgésico e antiinflamatório até efeitos reguladores de colesterol e da diabetes. O óleo de linho pode ainda ser utilizado na culinária.
 
SOBRE A CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS:
Vem a propósito relembrar que a classificação científica das espécies é muito importante para facilitar a organização e compreensão da enorme variedade de plantas existentes.
Os nomes populares variam conforme as regiões mas não são exclusivos, podendo plantas diferentes ser conhecidas pelo mesmo nome, o que origina confusões.
Assim, para que haja uniformidade a nível mundial, optou-se por estabelecer um nome científico binominal, em latim, do qual consta o género botânico ao qual pertence a planta e ainda a espécie da mesma. Assim o nome científico de uma planta é o mesmo em qualquer parte do mundo, independentemente da língua de cada país, não havendo lugar a confusões na sua identificação. Apesar de tudo, acontece que por vezes uma planta apresenta vários nomes científicos que mais não são que duplicações no registo das espécies. Também acontece que certas espécies adquiriram novos nomes por terem sido reclassificadas.
Nestes casos o nome científico principal é o que se refere à primeira classificação das espécies; os restantes vigoram como sinónimos, havendo registos que relacionam uns nomes com os outros, nesta conformidade.
A classificação científica que usamos hoje em dia baseia-se no sistema deixado por Lineu (Carolus Linnaeus, botânico e zoólogo sueco que viveu no século XVIII). O sistema de Lineu agrupa as espécies tendo em conta apenas as características morfológicas comuns, formando uma hierarquia (Reino, ordem, família, género, espécies e subespécies). (ver mais detalhes aqui)
Alterações na classificação das espécies têm sido frequentes nos últimos tempos, em primeiro lugar porque mudaram os conceitos e à luz da teoria de Darwin (princípio de ascendência comum) todas as plantas deveriam ser classificadas tendo em conta a sua evolução a partir de um ancestral comum. Por outro lado, com o desenvolvimento da sistemática molecular (área importante dentro da genética molecular) tem sido mais eficiente a classificação das espécies, sendo expectavel que, no futuro, haja profundas revisões na classificação de muitas espécies. Se assim acontecer passará a haver um sistema de classificação com base na semelhança genética em detrimento dos antigos critérios morfológicos. Com o auxilio da bioinformática são utilizados os métodos da biologia molecular e é feita a análise do genoma (constituição genética), através de técnicas de informática.

Sinónimos:
Linum usitatissimum subsp. angustifolium (Huds.) Thell. 1912
Linum tenuifolium L. 1754
Linum stocksianum Boiss. 1854
Linum siculum C.Presl 1826
Linum pyrenaicum Pourr. 1788
Linum marginatum Poir. in Lam. 1814
Linum hispanicum Mill. 1768
Linum cribrosum Rchb. 1842
Linum angustifolium var. ambiguum (Jord.) P.Fourn. 1937
Linum angustifolium proles ambiguum (Jord.) Rouy
Linum angustifolium Huds. 1778
Linum ambiguum Jord. [1848]
Linum agreste Brot. 1804
Cathartolinum agreste Rchb. 1837
Adenolinum angustifolium (Huds.) Rchb.
Linum elatum Salisb. 1796
Linum perenne (L.) Vill.

Texto e fotos de:
Fernanda Delgado do Nascimento  http://floresdoareal.blogspot.pt/

(exceto quando especificado).
Fotos - Dunas do Areal Sul/Praia da Areia Branca- Lourinhã