"O grande responsável pela situação de desequilíbrio ambiental que se vive no planeta é o Homem. É o único animal existente à face da Terra capaz de destruir o que a natureza levou milhões de anos a construir"





quinta-feira, 12 de maio de 2011

Brassica nigra (L.) W. D. J. Koch in Röhl. Syn. Sinapis nigra

Mostarda-negra

A Brassica nigra é uma planta herbácea, anual, pertencente ao género Brassica e à família botânica das Brassicaceae. Este grupo inclui numerosas espécies de interesse económico para a espécie humana, como alimento ou condimento culinário, como por exemplo as couves (entre elas os brócolos, as couves-flor e as couves-de-Bruxelas), os nabos, os rabanetes e as mostardas.
Brassica nigra é uma das várias espécies cujas sementes depois de trituradas e misturadas com água, vinagre e outros líquidos, se transformam no condimento conhecido como mostarda, muito apreciado em culinária e um dos mais divulgados no Ocidente.

As folhas jovens também podem ser utilizadas, sendo cortadas finamente e acrescentadas a saladas ou cozinhadas como um legume verde. As sementes de mostarda são usadas em molhos, caris, refogados e molhos de salada. A mostarda, quando em pequenas doses, estimula a digestão mas também tem outras propriedades terapêuticas e desde longa data tem sido utilizada em medicina alternativa como analgésico, antisséptico, diurético e expetorante, no tratamento de várias doenças como a bronquite, pneumonia, reumatismo e outras.
Nenhuma das espécies de mostarda é tóxica ou venenosa, no entanto devem ser utilizadas ou consumidas com bastante moderação, uma vez que possuem alguns óleos irritantes. O uso excessivo de plantas cruas desta família pode interferir na função tiroide.

A Brassica nigra é de todas as espécies de mostardas a que tem um sabor mais forte pelo que já não é tão cultivada com o era em tempos idos, tendo dado lugar a outras espécies de sabor mais suave. Hoje em dia a Brassica nigra cresce de forma espontânea, abundante e desordenada em ruínas, campos abandonados, margens de caminhos e campos cultivados. Tal como as outras mostardas a Brassica nigra produz químicos que impedem a germinação das plantas nativas aumentando assim, progressivamente, o seu raio de ação como erva daninha.
É frequente um pouco por todo o nosso país e está largamente distribuída pela Europa central e setentrional assim como norte de África e oeste da Ásia.
Em Portugal floresce de abril a junho.

A Brassica nigra forma arbustos pouco compactos crescendo de 50 cm a 1,20 m de altura. Os caules sao eretos e herbáceos, na sua maioria paralelos ao ramo principal, ramificados desde a base e com ramos alternados.
As raízes são muito divididas, curtas, finas e brancas.

As folhas são ásperas, com margens dentadas sem pelos ou com pelos dispersos, muito rígidos e quase picantes. As folhas basais crescem em roseta e têm o limbo dividido até à nervura mediana.

As folhas caulinares são alternas, inteiras e com formato oblongo.


As flores possuem ao mesmo tempo órgãos reprodutores femininos e masculinos e dispõem-se em corimbos, ou seja, reúnem-se em cachos de 40 a 60 pequenas flores.
Cada uma das pequenas flores tem 4  pétalas amarelas dispostas em forma de cruz, com sépalas alternadas entre elas e 6 estames, com nectarios entre eles, sendo 4 mais compridos. Os pecicelos das flores têm comprimento desigual mas todas elas estão situadas mais ou menos no mesmo plano, formando conjuntos semelhantes a pequenos guardas-chuva.
Por serem muito pequenas as flores optaram por se juntarem como melhor forma de atrair os insetos, isto é, cada flor por si só passaria despercebida devido ao seu tamanho insignificante, no entanto colocando-se em grupos a mancha de cor torna-se mais visível e consequentemente mais atrativa para os polinizadores.

Os frutos sao silíquas, isto é, são frutos secos formados por duas valvas mais compridas que largas e que abrem ao meio de forma natural para deixar cair as sementes. São longos e finos, quase cilíndricos e semelhantes a vagens, divididos interiormente por uma membrana e terminando exteriormente num bico comprido. São de cor castanha-escura ou avermelhada, dependendo das plantas.
As sementes globosas e muito escuras estão acomodadas dentro das valvas, em pequenas cavidades, de um e outro lado da membrana interior.
Fotos - Arribas da Praia do Caniçal

Sem comentários:

Enviar um comentário